​​Sete em cada dez brasileiros desaprovam governo Dilma

O primeiro ano do segundo mandato da presidente Dilma Rousseff foi marcado pelo baixo índice de popularidade. O número de pessoas que consideram o governo ótimo ou bom caiu de 12% em março para 9% neste mês. No mesmo período, o percentual dos que aprovam a maneira de governar da presidente recuou de 19% para 14%, e o dos que confiam em Dilma Rousseff diminuiu de 24% para 18%, informa a pesquisa CNI-Ibope divulgada nesta terça-feira, 13 de dezembro, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Conforme o levantamento, 81% dos brasileiros dizem que o segundo governo Dilma está sendo pior que o primeiro, 15% acham que está igual, e 2% afirmam que está melhor.  "A população está muito insatisfeita", diz o gerente-executivo da Unidade de Pesquisa da CNI, Renato da Fonseca.

A pesquisa mostra que há poucas mudanças significativas na popularidade da presidente neste ano.  O número de entrevistados que considera o governo ruim ou péssimo subiu para 70% em dezembro, praticamente igual aos 69% registrados em setembro e aos 68% de março. O número dos que avaliam o governo como ótimo ou bom também teve uma leve queda e passou de 10% em setembro para 9% agora.

“A popularidade do governo é maior entre as pessoas com renda familiar de até um salário mínimo. Nesse grupo, 14% avaliam o governo como ótimo ou bom e 20% aprovam a maneira de governar da presidente”, diz a pesquisa. A presidente também é mais popular no Nordeste. Para 13% dos moradores daquela região, o governo Dilma Rousseff é ótimo ou bom. No Sudeste, apenas 6% acham que o governo é ótimo ou bom.

A pesquisa revela ainda que a popularidade da presidente é mais baixa entre os mais jovens. Na parcela da população que tem de 16 a 24 anos de idade, a proporção dos que desaprovam a maneira de governar da presidente é de 90%. “Nesse grupo, apenas 4% avaliam o governo como ótimo ou bom e 10% confiam na presidente”, informa a CNI-Ibope. Entre as pessoas com 55 anos ou mais, 12% avaliam o governo como ótimo ou bom e 27% confiam na presidente.



​​


MEIO AMBIENTE E DESEMPREGO – As mudanças mais significativas na comparação com setembro ocorreram na avaliação da atuação do governo nas áreas de meio ambiente e combate ao desemprego. A desaprovação do governo na área de meio ambiente subiu de 65% em setembro para 74% agora, o maior percentual verificado no governo Dilma. De acordo com a CNI, esse aumento na desaprovação é reflexo do rompimento da barragem em Mariana.

No combate ao desemprego, a desaprovação passou de 83% em setembro para 87% em dezembro. As áreas com maior percentual de desaprovação continuam sendo juros e impostos, ambas com 91%. A área com melhor avaliação é o combate à fome e à pobreza, que tem 71% de desaprovação.

Esta edição da pesquisa CNI-Ibope ouviu 2002 pessoas em 143 municípios, entre os dias 4 e 7 de dezembro. A margem de erro estimada é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%.