Adriano Galdino é eleito para duas mesas na ALPB

Uma sexta-feira intensa na Assembleia Legislativa. Parecia que tudo levaria a eleição de Adriano Galdino (PSB) para os dois primeiros anos da atual legislatura, como presidente do Poder Legislativo. Ficaria para os dois últimos anos uma disputa na base governista entre Hervázio Bezerra (PSB), ex-líder do governador Ricardo Coutinho, e Tião Gomes (Avante), que abriu dissidência e não seguiu a orientação do Palácio da Redenção. A disputa com três nomes estava apenas na aparência. O golpe de mestre veio de Tião, o deputado com oito mandatos consecutivos e que conhece os corredores da Casa de Epitácio Pessoa como ninguém. Ciente de que não conseguiria derrotar o candidato apoiado por João Azevêdo e Ricardo, Tião deixou acontecer a aclamação de Galdino para o primeiro biênio. Adriano foi eleito por unanimidade, na primeira votação.

Já na condição de presidente, Adriano Galdino comandou a segunda votação. Hervázio discursou, falou em unidade e cobrou o compromisso assumido por toda bancada governista, no dia anterior, na Granja Santana. Em seguida, foi a vez de Tião Gomes. E veio a surpresa. Ele, de cara, queixou-se de intromissão de secretários de governo na disputa pela presidência da Assembleia. Também insinuou a participação do ex-governador Ricardo Coutinho no processo. Depois deixou os companheiros boquiabertos ao anunciar que estava abrindo mão da disputa pela presidência, era candidato a vice-presidente e que apoiaria a reeleição de Adriano Galdino para um segundo biênio.

Ato contínuo, Adriano aceitou a proposta de Tião. A candidatura de Hervázio estava fritada pelos próprios aliados. A oposição votou em peso em Adriano. Ele venceu por 23 a 13 votos. Esses 13 votos foram de governistas, que mantiveram a promessa feita ao governador na Granja Santana.

Nas entrelinhas dos discursos, ficou evidente que Adriano e Tião continuam na base governista. Mas não abrem mão da independência e do controle do Poder Legislativo. O recado foi muito mais para o ex-governador Ricardo Coutinho do que para João Azevêdo. É o governador quem tem que buscar a unidade de sua bancada, que, nas palavras de Adriano, está disposta a garantir a governabilidade da atual gestão até o último dia, pelos quatros anos que se seguem.  É difícil acreditar que Azevêdo, mesmo declarando que houve quebra de acordo na base, deixe de aceitar esse aceno de paz.

Assista o vídeo com trecho de discurso de Tião Gomes:

https://youtu.be/YAhjw5_2anQ

Assista o trecho com o anúncio da vitória de Adriano Galdino: