Aguinaldo Ribeiro fica encurralado em invasão de agentes na Câmara Federal

Enquanto revoltados agentes penitenciários invadiam a sala da comissão que analisava a reforma previdenciária, o líder do governo Michel Temer na Câmara Federal, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) saia por outra porta e ficava protegido em outra sala. Desfrutou da companhai do presidente da comissão da Previdência, Carlos Marun (PMDB-MS) e o relator da reforma, Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), até que os ânimos se alcamassem. E demorou para tudo se acalmar, sim.

Os agentes penitenciários promoveram a invasão, por volta das 23h desta terça-feira (3), depois que foram avisados por colegas que a comissão havia feito um acordo para adiar a proposta de alteração à reforma. Eles acabaram perdendo o direito às regras que garante tratamento diferenciado para determinadas categorias de servidores públicos, que garantiria aposentadoria para policiais, com idade mínima de 55 anos. Decidiram invadir o local da reunião da comissão e foram recebidos com spray de pimenta pelos policiais legislativos, que foram matidos nessa categoria especial de servidores.

Aguinaldo e outros parlamentares ficaram encurralados e foram para um abrigo improvisado, onde também estavam assessores especiais do Ministério do Planejamento e da Casa Civil, diretamente envolvidos na elaboração da proposta de reforma da Previdência.

O texto-base da reforma previdenciária acabou sendo aprovado por 23 a 14 votos. Para ser aprovado na comissão, o relatório precisava dos votos favoráveis de pelo menos 19 dos 37 integrantes do colegiado.