Artesãos de CG participam de consultoria com Renato Imbroisi

O designer e consultor internacional de criação em projetos, Renato Imbroisi, está na Vila do Artesão, em Campina Grande, oferecendo consultoria a mais de 40 artesãs do Programa de Artesanato da Paraíba (PAP), até a próxima quarta-feira (30).



A consultoria é uma oportunidade do designer interagir com os artesãos, aperfeiçoar as técnicas utilizadas pelas profissionais que atuam com crochê, fios e fibras, principalmente no interior do Estado, sejam em grupos ou em trabalhos individuais.



O PAP convidou Renato Imbroisi para dar continuidade aos trabalhos iniciados na criação do programa, onde atuou em vários municípios da Paraíba, como na Associação Mulheres de Fibra, em Natuba, distante cerca de 240 km da Capital. Na época, as mulheres artesãs participaram de consultoria utilizando o tecido da chita. O trabalho será retomado a partir da próxima quinta-feira (31) e segue até domingo (3), no município de Boa Vista. O Programa de Artesanato da Paraíba (PAP) é vinculado à Secretaria de Estado do Turismo e do Desenvolvimento Econômico (Setde) e tem a coordenação da primeira-dama do Estado, a jornalista Pâmela Bório.



De acordo com a gestora do programa, Ladjane Barbosa, a consultoria é de extrema importância para a sustentabilidade do artesanato, pois a metodologia aplicada pelo designer permite atender exclusivamente a cada artesão participante. “Inicialmente contemplamos 40 artesãs de Campina Grande, desde aquelas que trabalham com fios até crochê, pois temos uma expectativa que daqui saiam novas ideias para quem sabe ser o tema da próxima edição do Salão de Artesanato da Paraíba, que começa em dezembro”, enfatizou.



Sem se limitar à criação e ao desenvolvimento de produtos, Renato Imbroisi também orienta as artesãs sobre aspectos administrativos e comerciais. “Tive o prazer de ser o primeiro consultor do Programa e trabalhei durante muitos anos com a renda, algodão colorido, bordados e crochê. No entanto, tento trazer mais inovação e valorização da cultura local. As artesãs precisam se unir, trabalhar mais em grupos para criarmos uma coleção que vai além de acessórios, incluindo produtos de cama e mesa inovadores. Assim, elas deixam de copiar mais e passam a criar seus novos produtos e, quem sabe, até a conquistar uma homenagem no próximo Salão. Uma pequena mostra do que for criado aqui já será exibido numa feira em São Paulo”, disse Imbroisi entusiasmado.



Renato ainda avaliou a evolução do artesanato paraibano. “A cada ano, a Paraíba tem se mostrado muito bem diante do mercado nacional, através das participações em feiras e eventos que têm chamado a atenção do mercado de lojistas. Assim, grandes mestres paraibanos também ganharam destaque”.



A artesã Ildete Moreira, 58 anos, natural de Campina Grande, é integrante do PAP há oito anos e decidiu participar da consultoria para aperfeiçoar os trabalhos que desenvolve com o crochê. “Participei do Salão em Campina Grande no mês de junho e vendi bastante, mas é preciso sempre se reciclar para acompanhar as últimas tendências e vender ainda mais. Apesar de trabalhar sozinha, pretendo alçar novos voos”, revelou.



Algodão colorido é a tipologia principal trabalhada pela artesã Amália Monteiro, também de Campina Grande. “Eu mesmo produzo minhas peças e tenho o auxílio de uma costureira, mas pretendo aprender aqui bem mais, aperfeiçoar o que sei e até utilizar o crochê para customizar minha produção. Queremos nos tornar referência para o próximo Salão em João Pessoa”, completou.



Com larga experiência e um currículo qualificado, Renato Imbroisi já participou de 140 projetos em 23 estados das cinco regiões do Brasil e também no exterior: Japão, Itália, Moçambique e São Tomé e Príncipe.