Assentados paraibanos participam de Festival de Milho em João Pessoa

Agricultores de pelo menos dez assentamentos da reforma agrária da Paraíba estão comercializando sua produção de milho na segunda edição do Festival do Milho da Central de Comercialização da Agricultura Familiar (Cecaf) João Pedro Teixeira, no bairro José Américo, em João Pessoa. O evento, que acontece de 22 a 24 de junho, reúne aproximadamente 130 agricultores familiares e assentados de 28 municípios paraibanos dos Territórios da Cidadania Zona da Mata Sul, Zona da Mata Norte e Borborema.

Nos estandes, os agricultores vendem milho no atacado e no varejo, além de pratos típicos das festas juninas, como pamonha, canjica, bolos e doces, e peças de artesanato.

No sábado (24), às 10h, haverá apresentações da quadrilha junina da Comunidade Cabana, do município de Alhandra, e da quadrilha junina do município de Jacaraú.

Quem prestigiou o primeiro dia do Festival, na quinta-feira (22), foi recebido com um trio de forró pé-de-serra e com uma apresentação de xaxado do grupo da melhor idade Reaprendendo a Viver, da Unidade Saúde da Família (USF) do bairro Colibris, em João Pessoa. Alunos da rede municipal de ensino de João Pessoa também recitaram cordeis criados especialmente para o evento. Eles trocaram os livretos por produtos à venda no Festival.

Também no primeiro dia do Festival do Milho, na quinta-feira (22), o espaço foi dividido com a tradicional Feira do Agricultor Familiar da Cecaf, que acontece todas as quintas-feiras e sábados, das 5h às 13h.

Na primeira edição do Festival, em 2016, foram comercializadas durante o evento, que teve dois dias de duração, ao menos setecentas mãos de milho – o equivalente a 36,4 mil espigas de milho, por cerca de 40 agricultores assentados ou ligados a associações e cooperativas da agricultura familiar da região da Zona da Mata Sul da Paraíba.

“Nossa expectativa para o Festival do Milho deste ano é aumentar a quantidade de produtos comercializados, superando os números do ano passado, bem como atrair mais consumidores para as feiras semanais realizadas pela Cecaf”, afirmou a diretora do Setor de Agricultura Familiar da Secretaria de Desenvolvimento e Controle Urbano (Sedurb) da Prefeitura de João Pessoa e coordenadora da Cecaf, Rogeany Gonçalves.

Qualidade e preços baixos

O casal de professores Fernando Soares e Maria dos Remédios Diniz, moradores de um bairro vizinho e consumidores habituais das feiras realizadas na Cecaf às quintas-feiras e sábados, levaram para casa milho para cozinhar neste final de semana em que se comemora o dia de São João (24 de junho). Nas sacolas, também havia manteiga, queijo, banana, mamão, jerimum, batata doce, alface e coentro.

“Sempre que podemos compramos aqui na Cecaf. Em primeiro lugar, pela qualidade e pelo fato de os produtos não terem agrotóxicos. O preço também é mais acessível”, afirmou Soares.

No 2º Festival do Milho da Cecaf, a mão de milho, que corresponde a 52 espigas, está sendo comercializada a R$ 25 e a unidade (espiga) a R$ 0,50.

Sem atravessadores

Para o agricultor Josias Oliveira, do Assentamento Nova Vida, em Pitimbu, o Festival de Milho e as duas feiras semanais promovidas regularmente pela Cecaf são ótimas oportunidades para os agricultores familiares e assentados da reforma agrária comercializarem suas produções diretamente ao consumidor, sem a intermediação de atravessadores.

“Vender num espaço como este é bem melhor porque o agricultor vende diretamente ao consumidor e se livra do atravessador, que é o grande mal da agricultura familiar. Vendendo direto ao consumidor a gente já sai daqui com o dinheiro no bolso”, afirmou o agricultor assentado.

Do milho colhido nos dois hectares que Josias Oliveira destinou à cultura, seis toneladas foram destinados ao Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e outras duas toneladas foram adquiridas pelas Prefeituras de Pitimbu e Caaporã através do Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae).

“Este ano, nossa colheita aumentou porque as chuvas foram melhores do que no ano passado”, disse Oliveira, comemorando a venda de mais de dois terços das 80 mãos de milho – o equivalente a 4.160 espigas – em pouco mais de três horas de Festival.

Quem também comercializa sua variada produção na Cecaf é o agricultor José Hilton do Nascimento, do Assentamento Apasa, em Pitimbu, que levou cem mãos de milho para o Festival. O assentado também produz banana, mamão, maracujá, acerola, coco verde, feijão, batata doce. “Eu costumava vender na Ceasa de Recife (Pernambuco) ou em feiras livres. Hoje, vendo principalmente na Cecaf”, afirmou.

Realização

O evento é uma realização da Prefeitura de João Pessoa, através da Secretaria de Desenvolvimento Urbano (Sedurb), em parceria com a Fundação Cultural de João Pessoa (Funjope), a Secretaria de Políticas Públicas para Mulheres (SEPPM) e a Secretaria de Educação e Cultura (Sedec) e dos Territórios da Cidadania da Zona da Mata Sul e Norte.