Atendimentos fonoaudiológicos gratuitos na capital

 

Orientações, triagens de recém-nascidos e crianças e encaminhamentos gratuitos para a população sobre a motricidade orofacial, dentre elas a sucção, mastigação, deglutição, respiração e fala. Esses são alguns dos objetivos das ações planejadas pelos cursos de Fonoaudiologia do Centro Universitário de João Pessoa – Unipê e da Universidade Federal da Paraíba – UFPB para o Dia Internacional da Motricidade Orofacial, que será realizado nesta quarta-feira (17). Os atendimentos serão realizados no Hospital Infantil Arlinda Marques, na Clínica-Escola de Fonoaudiologia do Unipê e nas Unidades de Saúde do Róger e do Bancários, na capital.

Na manhã da quarta-feira, as ações, que incluem o Teste da Linguinha, acontecerão das 8h30 às 11h30 no Hospital Infantil Arlinda Marques, em Jaguaribe, na Clínica do Unipê, localizada no Campus da Instituição, em Água Fria. Durante a tarde, os atendimentos serão retomados das 13h30 às 16h30 e ocorrerão, também, nas Unidades de Saúde da Família – USFs dos bairros dos Bancários (Eucaliptos) e do Róger. No Arlinda Marques, serão realizadas triagens em bebês recém-nascidos com diagnóstico ou suspeita de microcefalia, afim de identificar alterações na sucção (amamentação).

O evento terá participação de professores do Unipê, de estudantes da área e de fonoaudiólogos das redes municipal e estadual da saúde. O responsável pela ação na Clínica do Unipê e coordenador do curso na Instituição, prof. Victor Medeiros, diz o evento é um marco da Fonoaudiologia para analisar, refletir e modificar formas de atuação dos profissionais para melhorar a qualidade de vida dos pacientes. As professoras responsáveis pelas ações externas são Azuíla Sousa, Ruth Lopes, Raphaela Lima, Eva Carolina Cruz e Maria Edvany Melo.

“Espera-se fornecer orientações importantes sobre prevenção de alterações do sistema estomatognático, como é chamado o sistema foco do estudo da Motricidade Orofacial, além de realizar diagnóstico de alterações, bem como encaminhamento a setores para realização de atendimento gratuito”, explica Medeiros. “Em caso de identificação de necessidade de acompanhamento fonoaudiológico, as pessoas serão encaminhadas para as Clínicas-Escolas do Unipê e da UFPB.”

Motricidade Orofacial

De acordo com Alves, a especialidade da Motricidade Orofacial é pouco conhecida pela população e a data objetiva, também, conscientizar sobre o papel do fonoaudiólogo enquanto especialista. A área da Motricidade Orofacial abrange a assistência e a promoção de saúde desde a vida intrauterina até terceira idade. Para recém-nascidos, ele cita dificuldades de sucção no seio materno, o que justifica obrigatoriedade, por legislação, do Teste da Linguinha. “Para identificar alterações no frênulo lingual, que comprometem a movimentação da língua e, por isso, a realização de funções como sucção e, mais tarde, a fala”, explica.

No caso de crianças, existem disfunções que podem comprometer a mastigação, a deglutição e a fala, além da Respiração Oral, Paralisia Cerebral e Fissuras Labiopalatinas. Em adultos, há desordens variadas, como a Síndrome da Apneia/Hipopneia obstrutiva do Sono, Paralisia Facial, Dores Orofaciais, entre outras. Já em idosos, as disfunções podem envolver dificuldade de deglutição por sequelas neurológicas e alterações próprias do envelhecimento humano.

O professor salienta que na Clínica-Escola do Unipê são ofertados acompanhamentos e realização de exames específicos e ainda encaminhamentos a outros profissionais de saúde. A assistência ocorre por meio de Estágios Supervisionados em Motricidade Orofacial, além de extensões e projetos de pesquisa. Ele afirma ainda que o acesso aos serviços fonoaudiológicos é garantido pelo Sistema Único de Saúde – SUS.