Bancada de oposição na ALPB vai precisar de D.R.

A bancada de oposição na Assembleia Legislativa da Paraíba foi empossada com 14 deputados estaduais. Um deles trocou de partido e de lugar no plenário, foi parar no governista Democratas. Felipe Leitão desfiliou-se no Podemos jurando fidelidade à base do governador João Azevêdo. Restariam 13 oposicionistas, número suficiente para assinar uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito), mas não foi isso que aconteceu. O requerimento parou em 11 assinaturas e não conseguiu ser protocolado.

Com isso, a situação aproveitou-se da situação e apresentou, de uma só vez, três pedidos de instalação de CPIs. pelo regimento da ALPB, apenas três podem funcionar, por ordem cronológica de protocolo. A CPI das Organizações Sociais ficou de fora. O requerimento ficou sem as assinaturas dos deputados estaduais Manoel Ludgério (PSD) e Caio Roberto (PR).

O líder da oposição, Raniery Paulino (MDB), relativiza os números. Para ele, comparando-se o tamanho das bancadas, guardadas as devidas proporções, a oposição está bem posicionada, já que na situação houve um racha com 13 votos na eleição da mesa-diretora. Mas para outros deputados, como Anderson Monteiro (PSC), quem se elegeu pela oposição e se bandeou para o governo deve explicações aos eleitores.

A oposição precisa discutir a relação. Uma D.R. pode definir qual o real tamanho da bancada na Assembleia Legislativa. Foi isso que mostrou a matéria do programa Correio Debate, da TV Correio, nesta segunda. Assista.