BNDES pede explicações ao Estado sobre não privatizar Cagepa e faz pressão para venda da PBGás

Ainda não passou a pressão do governo federal para que o governo do estado se desfaça dos seus ativos e privatize estatais. Em abril, quando anunciou que privatizaria a Cagepa, o governador Ricardo Coutinho (PSB) surpreendeu integrantes da equipe econômica do governo Michel Temer (PMDB). Logo após o anúncio, ele recebeu um telefonema da presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Maria Silva Bastos Marques, pedindo explicações.

Para o governo federal, já estava tudo certo sobre o processo de privatização da Cagepa. Não foi isso que se viu no Palácio da Redenção, quando governador convocou a imprensa e anunciou que não atenderia os apelos para repassar o controle da estatal à iniciativa privada.

A venda da Cagepa era uma exigência do governo fedreal para liberar auxílio financeiro ao estado. O governador alegou que não poderia vender uma empresa com um superávit de R$ 20 milhões em 2016. Ele ainda anunciou, na presença dos servidores da Cagepa, que a estatal será a principal responsável pelas obras do adutora Transparaíba.

O secretário de Recursos Hídricos, João Azevedo, encaminhou uma carta ao DNDES com a posição adotada pelo governador. A presidente do banco não gostou nada.

Agora, o governo federal voltou a pressionar a gestão, para que o estado venda sua parte na PBGás. O governo é minoria, mas tem peso diferenciado nas assembleias.