Cássio: “Eduardo é exemplo de quem jamais desistiu do Brasil”

“Na mão sempre firme e solidária de Eduardo Campos encontrei gestos que ficarão para sempre guardados em meu coração. Eu pude construir com ele uma relação fraterna e genuína de amizade, de amor verdadeiro. Eu quero transmitir a toda sua família, o meu melhor e mais escolhido abraço neste instante de saudade”. Foram estas as palavras emocionadas do líder do PSDB no Senado, Cássio Cunha Lima (PB), durante a sessão especial, nesta quinta-feira (13), promovida pelo Senado, para reverenciar a memória do ex-governador de Pernambuco e ex-presidente do PSB.



 “E vou trazer um depoimento de caráter muito pessoal, pela convivência fraterna, pedindo que minhas emoções sejam controladas, porque, de Eduardo, guardo, talvez, as mais importantes lembranças de minha trajetória. Com as vicissitudes da vida, recebi  dele gestos que ficarão para sempre guardados em meu coração” – disse.



 Caráter

E continuou o senador paraibano: “A vida é assim: o poder tem a capacidade de revelar o caráter das pessoas. Engana-se quem acha que poder tira caráter ou dá caráter a quem quer que seja. O poder apenas revela o caráter. Eduardo Campos era um homem de muito caráter”.

Ao destacar as inúmeras qualidades do homenageado, Cássio disse que Campos era um homem público eloquente, competente e idealista. “Eduardo faz uma falta enorme em todos os sentidos. E que viva Eduardo Campos! Viva sempre como exemplo, como referência, como paradigma de quem sempre acreditou e jamais desistiu do Brasil!”

Presença de espírito

Cássio registrou, ainda, que Eduardo Campos sempre foi uma daquelas pessoas que você tem prazer de estar perto. “Era sempre uma alegria por causa da sua descontração, pela sua presença de espírito, pela sua capacidade de desanuviar qualquer ambiente por mais austero que fosse. Ele tinha uma capacidade de as pessoas ficaram ao seu lado”, afirmou.

Tragédia

A morte é um mistério brutal. Às vezes é tragédia. Em 13 de agosto de 2014, o então candidato do PSB à Presidência da República, ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos, morreu após a queda do avião particular em que viajava em um bairro residencial em Santos, no litoral paulista. A bordo da aeronave estavam sete pessoas, das quais cinco passageiros (Eduardo Campos e quatro assessores da campanha) e dois tripulantes.