Couto pede que Câmara discuta proposta de reforma política  

O deputado federal Luiz Couto (PT-PB) defendeu o texto de projeto de lei de iniciativa popular, para reforma política, apresentado pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE), e criticou aqueles que são contra o plebiscito.

“O povo gritou nas ruas e nós não demos atenção ao que ele disse. Agora dizemos que não vai haver plebiscito; o povo não quer plebiscito; nós vamos fazer um ad referendum. Ou seja, isso mostra que é brincadeira quando comentam que querem fazer reforma política”, afirmou.

Para Luiz Couto, é preciso acabar com “o faz de conta que é a grande arma que se tem aí para que não sejam feitas as reformas de que o Brasil necessita”.

“Temos que fazer o combate sistemático a todo tipo de violência praticada neste país, a todo tipo de corrupção e também à impunidade”, complementou.

Couto disse esperar que a Câmara Federal discuta a proposta encaminhada pelas entidades – CNBB, OAB e MCCE - que prevê o fim do financiamento de campanhas eleitorais por empresas privadas, limite para doação de pessoa física para partidos, eleição para o Legislativo em dois turnos - primeiro a definição do número de cadeiras por partido e depois a escolha dos candidatos de cada lista partidária -, além de mais liberdade de expressão dos cidadãos em relação ao debate eleitoral.