Estado desqualifica lista dos codificados divulgada pelo Sindifisco

O procurador do Estado, Gilberto Carneiro, classificou como "extremamente grave" a divulgação de uma lista de codificados (servidores que têm vínculos precários com o estado) e ratificou que a lista divulgada pelo Sindifisco foi fraudada. Em entrevista coletiva, a secretária de Saúde, Cláudia Veras, disse que a relação tem um incremento de 52% do valor real pago pelo governo em novembro de 2015.

Segundo os dados do estado, em novembro daquele ano, foram pagos pouco mais de R$ 15,6 milhões aos chamados codificados. A lista divulgada pelo Sindifisco a alguns sites e blogs teria o valor de R$ 23 milhões.

A secretária, na entrevista, apresentou certidões encaminhadas pelo TCE-PB, assinada pelo presidente André Carlos Torres, que demonstra o pagamento a 8.587 servidores.

O procurador Gilberto Carneiro estranhou que o Sindifisco, através da Lei de Acesso à Informação, tivesse a lista em março de 2016 e só em 2017 divulgasse números e nomes correspondentes a novembro de 2015.

Ele disse que acionou a Secretaria de Segurança Pública para apurar quem praticou a fraude e forjou a lista com R$ 23 milhões de gastos. O procurador ameaçou processar sites e blogs que insistirem em divulgar essa lista do Sindifisco.