Fake news detonam credibilidade das postagens

Dois casos de fake news chamaram a atenção nas últimas horas e reforçam necessidade da imprensa estar cada vez mais unida para dar a informação correta, sem cair em armadilhas da politicagem barata. Grandes veículos de comunicação da Paraíba já atuam institucionalmente no combate às falsas notícias espalhadas pela rede mundial de computadores, porque elas são amplificadas de forma mais forte do que as verdadeiras. É o caso do Sistema Correio de Comunicação tem uma campanha publicitária em todos as suas plataformas e veículos. Mesmo com o alerta constante dos profissionais de comunicação, grande parte da população ainda caem nesses alçapões.

Fica ainda mais complicado quando figuras públicas replicam fake news. Elas não podem alegar que foram enganadas pela internet. Teriam que checar as fontes e ter mais responsabilidade com o que postam.



Foi o caso no final da semana passada da deputada federal Maria do Rosário (PT), que acusou, em suas redes sociais o ator Sandro Rocha de estar envolvido no assassinato da ex-vereadora Marielle Franco (PSOL), morta em março do ano passado no Rio de Janeiro. Sandro interpretou o Major Rocha no filme Tropa de Elite 2.

A petista postou uma foto em que o ator aparece com Jair Bolsonaro e Flávio Bolsonaro e comentou: “O do meio é procurado pelo assassinato de Marielle. Só cidadão de bem na fotografia. Porque esses bandidões brincam de arminha? Bandidões ridículos”. A deputada não prestou a atenção que a imagem original foi para num grupo de memes, que ironizava os Bolsonaro por, supostamente, posarem ao lado de "um miliciano". O ator de Tropa de Elite 2 e da novelas épicas da Rede Record, interpretou no filme o papel de um miliciano que atua nas comunidades do Rio de Janeiro. Daí, a ironia. O ator anunciou que vai processar a deputada.

Outro caso foi o aproveitamento e oportunismo político da tragédia de Brumadinho. Saltam aos olhos quantas fakes news já foram geradas sobre assunto tão grave. Quando se trata de opinião pessoal, pode até haver se discordar. Mas são as notícias falsas que querem passar uma mensagem oportunista. A fo



to de um homem enlameado abraçada a um bombeiro viralizou na internet. Descobre-se agora que não foi tirada em Brumadinho, no interior de Minas Gerais.

Em meio aos milhares de postagens nas redes sociais sobre o rompimento da barragem da Vale em Brumadinho, uma foto em especial chamou atenção. A imagem de um bombeiro abraçando uma pessoa suja de lama foi compartilhada por muita gente, com mensagens de solidariedade para as vítimas e equipes de resgate.



No entanto, o registro não foi feito em Brumadinho. Na verdade, a foto é de 2011, quando um soldado do Corpo de Bombeiros resgatou um agricultor que ficou preso dentro de uma cisterna em Patos de Minas, na Região do Alto Paranaíba.

A imagem é creditada a Aislan Henrique, da equipe do Corpo de Bombeiros. Coincidentemente, a corporação republicou a imagem no Twitter dois dias antes do desastre em Brumadinho, com um recorte que não mostrava onde ela foi tirada.

No caso de Maria do Rosário, o ator anunciou em vídeo (CONFIRA O VÍDEO ABAIXO) que vai processa-la. A deputada federal chamou o ator de assassino de Marielle. Ele é amigo pessoal da família Bolsonaro e a foto foi tirada em 2015, quando ele fazia um papel na novela "Os Dez Mandamentos", da Rede Record. Não é a primeira fez que parlamentares do PT se envolvem nesse tipo de situação. A senadora Gleisi Hoffman é uma especialista quando o assunto é replicar notícias falsas, especialmente para atacar seus adversários políticos. Até o candidato a presidente da República nas eleições passadas, Fernando Haddad, caiu numa dessas fake news.