Governo realiza 1º Encontro de Ciganos do Nordeste em Sousa

Mais de 200 representantes de ciganos de várias etnias Calon, Sinti e Rom se reúnem nesta quinta (13) e sexta-feira (14), em Sousa, no I Encontro de Ciganos do Nordeste. A realização é do Governo do Estado, por meio da Secretaria da Mulher e da Diversidade Humana, em parceria com o Governo do Estado de Pernambuco e as Associações de Ciganos de Condado (PB) e de Pernambuco.

Segundo a secretária da Mulher e da Diversidade Humana, Gilberta Soares, o evento terá a participação de representantes da Secretaria de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República (Sepir) e do Conselho Nacional de Políticas de Igualdade Racial (Cnpir).

Gilberta Soares disse que o evento conta com uma grande articulação intersetorial e apoio de diversas instituições, como a Universidade Federal de Campina Grande, Universidade Federal da Paraíba, a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Humano (Sedh), Secretaria de Educação, Prefeitura Municipal de Sousa, o Orçamento Democrático (ODE) e a Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semans-PE).

De acordo com o Censo do IBGE 2010, o Brasil tem cerca de 800 mil ciganos, distribuídos em 291 cidades brasileiras. A população cigana no Nordeste, em grande parte, não possui registro civil, consequentemente, tem dificuldades para acessar programas governamentais, redes públicas de saúde e educação e outros serviços.

“A população cigana convive com a falta de visibilidade pela sociedade. Consequentemente tem dificuldades de acessar as políticas e programas governamentais. Este evento será um espaço de discussão sobre as problemáticas, desafios, potencialidades e perspectivas vivenciadas pela população cigana do Nordeste”, disse Gilberta Soares.

Segundo ela, a partir do protagonismo de lideranças ciganas, o setor público tem expressado preocupação com a execução de políticas públicas específicas para esta população. Nesta perspectiva foi elaborado o “Brasil Mais Cigano – Guia de Políticas Públicas para Ciganos (Sepir/PR). “Esta realidade torna relevante o debate sobre ações afirmativas para a população cigana, pactuando ações nas diversas esferas públicas, para que a política aconteça de forma intersetorializada”, observa.

No final do evento, serão elaboradas propostas de políticas públicas para o povo cigano, intitulada a Carta de Sousa, que será encaminhada para gestores públicos de municípios, Estados, Conselho Nacional de Promoção da Igualdade Racial e Sepir.