Líder do governo no Senado, Lira admite baixas na base aliada

Líder do governo Temer no Senado, Raimundo Lira (PMDB), evitou comentar as declarações do senador  Cássio Cunha Lima (PSDB), que previu o fim a da gestão peeemedebista em 15 dias. Lira admite que a base aliada do presidente pode ter baixas nos próximos dias.

Na avalição do senador, ainda não se pode falar em debandada, mas "é possível que haja". Lira está em João Pessoa e participou de um controle com prefeitos paraibanos, no auditório do centro Cultural Araiano Suassuna, no Tribunal de Contas do Estado, para debater uma MP que parcela dívidas dos municípios com o INSS.

Contudo, Temer pondera que ainda é cedo para cravar na queda do presidente. “Vamos aguardar os acontecimentos. A política do Brasil sempre foi dinâmica e agora ainda mais”, frisou.