Lígia acompanha Ciro em sabatina da CNI

Se for escolhido presidente da República na próxima eleição, Ciro Gomes (PDT) quer estruturar estratégias nacionais de desenvolvimento. O pré-candidato afirmou que falta concepção estratégica de país desde a década de 1980. Segundo ele, o Brasil apostou no crescimento por meio do consumo, sem proposta sólida de desenvolvimento da produção. Ele participou do Diálogo da Indústria com os Candidatos à Presidência da República, promovido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) nesta quarta-feira (4), em Brasília.

A vice-governadora da Paraíba e pré-candidata ao governo do Estado, Lígia Feliciano(PDT), está em Brasília para acompanhar presidenciável Ciro Gomes(PDT), em um encontro promovido pela Confederação Nacional das Indústrias.Lígia acompanhou a sabatina ao lado do presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, e Túlio Gadelha, presidente da juventude socialista do PDT.


Ciro Gomes lembrou que os níveis de produtividade e de crescimento da economia estão estagnados há décadas e que o país não se preparou para o impacto que a tecnologia teve no modelo produtivo em todo o mundo.

O candidato, ex-governador do Ceará e ex-deputado federal, defendeu enfrentar dois temas que, para ele, são os maiores adversários do crescimento do país: a taxa de juros e o câmbio. Em relação a investimento e financiamento, ele defendeu o papel dos subsídios e o ajuste de condições adequadas para o financiamento público de grandes obras de infraestrutura.

Gomes reiterou que, se eleito, reabrirá a discussão sobre a modernização das leis trabalhistas. Quanto às reformas, o pedetista afirmou que os seis primeiros meses de governo são estratégicos para discutir temas de alta relevância nacional, como as reformas tributária e previdenciária.

Sobre a última, o candidato afirmou que não há como reformar o sistema atual e que proporá transição para novo regime, de capitalização e unificação de tetos para servidores públicos e da iniciativa privada. Entre as propostas no tema, está a realização de plebiscito ou referendo.