Lucélio entrega cargo e faz balanço da atuação no Porto

 

Depois de anunciar a desfiliação do Partido dos Trabalhadores (PT) para ingressar no Partido Social Democrático (PSD), Lucélio Cartaxo informou que deixou nesta quinta-feria (17/08) a presidência da Companhia Docas Paraíba. “A função que ocupava era uma indicação do PT, o que inviabilizou a minha permanência”, disse. Lucélio também fez um balanço dos últimos anos à frente do Porto. “Alcançamos conquistas importantes, como a modernização da sinalização náutica do complexo portuário, que vai permitir a atracação de embarcações durante 24h”, mencionou. O gestor foi um dos responsáveis pelas negociações em Brasília que permitiram a liberação de R$ 3 milhões, pela Secretaria dos Portos, para aquisição de 16 modernas boias para sinalizar a chegada de embarcações à noite.

Durante o tempo em que Lucélio ocupou a presidência, houve avanços na iluminação do Porto, como a substituição de lâmpadas antigas por outras mais potentes e econômicas. Parte dos galpões foi revitalizada, passando por nova pintura, recuperação estrutural e de cobertas. “Deixo a presidência do Porto com o sentimento de dever cumprido, certo de que essa história de transformação deve seguir em frente, mesmo diante das dificuldades neste cenário econômico que se apresenta”, disse.

De acordo com Lucélio, uma carta foi enviada ao governador Ricardo Coutinho, anunciando a sua saída do cargo. “Agradeço ao governador pela confiança, mas não seria legítimo permanecer em uma função ocupada pelo PT, partido do qual acabo de me desfiliar”, explicou Cartaxo, depois de informar que também conversou com o governador por telefone. O ex-presidente da Companhia Docas disse ainda que atuou de forma permanente com operadores, além de agências marítimas e de cargas na prospecção de maior movimentação para o Porto. “Entre os principais atores estão a Câmara de Comércio da Itália, responsável por prospectar novos negócios no Polo Automotivo, em Goiana (PE), junto com investidores de outros países, a exemplo dos EUA.”

Cortes

Durante a passagem pelo Porto, Lucélio cortou gastos que projetam uma redução anual de R$ 1,2 milhão. O gestor explicou que precisou rever parte dos contratos e reduzir despesas diante do cenário de crise, com fortes efeitos sobre a economia do país. “Diante deste momento, de alta do dólar e de redução drástica das importações e de cargas, intensificamos uma nova rodada de negócios com parceiros estratégicos para incrementar o fluxo de movimentação no futuro”, comentou.