Observatório Social defende eficiência no controle social dos gastos públicos

O Observatório Social do Brasil, entidade sediada em Curitiba, no Paraná, com o propósito de promover a eficiência da gestão pública, assegurando a capacitação de conselhos e empresas no eixo da transparência, em especial nas licitações, foi o tema trazido pelos diretores da OSB, Ney da Nóbrega Ribas e Roni Enara Rodrigues, no painel que retomou os trabalhos do Seminário Nacional sobre Cooperação para Prevenção e o Combate à Corrupção, no início da tarde do dia 21.

Roni Enara iniciou sua exposição, apresentando um vídeo sobre pesquisas comparativas de preços sugeridos pelas prefeituras para compras de produtos diversos, mostrando que em muitos dos casos os valores chegam a ser 20 vezes mais elevados do que os praticados no mercado. Ney Nóbrega completou que o Observatório é especializado no monitoramento das compras públicas em nível municipal, desde a publicação do edital de licitação até o acompanhamento da entrega do produto ou serviço, de modo a agir preventivamente no controle social dos gastos públicos.

“Atuamos num ambiente de negócios para ampliar um círculo virtuoso, e capacitamos muitas empresas para participar dos certames, aumentando a concorrência nas licitações”, observou Ney, ao lembrar que essa iniciativa permite a redução dos preços. Outro aspecto levantado por ele, com base em pesquisas oficiais, é que somente 30% dos recursos municipais ficam na cidade. As empresas ficam de fora, segundo ele, muitas vezes por falta de capacitação para serem habilitadas.

Ao final da exposição, depois da apresentação de um novo vídeo musical, Ney Ribas acompanhou, com sua voz ao vivo, a exibição, denunciando as crianças brasileiras que vivem nas ruas. Os palestrantes provocaram as redes de controle para refletir sobre a responsabilidade social dos homens “que têm o dever e a obrigação de fazer mudar essa realidade. O Brasil que queremos será exatamente do tamanho da atitude que teremos hoje”. Concluiu.