Depoimentos bombásticos

O depoimento de Lula ao juiz federal Sérgio Moro sobre o triplex é ficha pequena, quase nula, diante dos depoimentos dos marqueteiros João Santana e Mônica Moura. Juridicamente falando, talvez tenham sido os depoimentos mais comprometedores contra Lula e DilmaRousseff.

Mônica Mora contou que Dilma sabia dos passos da operação Lava Jato, por meio do ministro da Justiça, que é o chefe da Polícia Federal. Junto com João Santana, seu esposo, Mônica contou detalhes, como o uso de emails  salvos na pasta de rascunhos, para despistar as investigações.

Ambos, entregaram emails, endereços e fórmulas de como Dilma e Lula tratavam dos esquemas de favores, com gastos ilegais. Ficou evidenciado que os petistas sabiam de tudo, decidiam como seriam os gastos e quais as despesas que teriam pela frente. Os petistas consideram mentirosas as revelações do casal. Santana tinha tanta confiança de Dilma que escrevia para ela todos os discursos, dos mais diferentes temas, lidos sem pestaneja

Estariam mentindo absurdamente assim para a Justiça? Se estiverem vão aumentar consideravelmente o tempo de cadeia. Os depoimentos foram revelados um dia depois da primeira audiência que Lula teve com o ministro Sérgio Moro, onde o ex-presidente, em cinco horas, invocou por 38 vezes o nome da sua esposa Marisa Letícia, já falecida.

Agora é esperar pela delação de Antônio Palocci, citado por quase todos os delatores até agora, como responsável, ao lado de José Dirceu, de arrecadar e distribuir fábulas de dinheiro. Outro depoimento que, certamente, levará Lula e Dilma a dizerem que trata-se de uma mentira de quem quer se livrar mais rápido da cadeia. O grande nó disso tudo é que, cruzados, os depoimentos se conexam uns com os outros. Confrontados, em sua grande maioria, alcançam intercessões importantes para a convicção de que os atores participaram das mesmas cenas criminosas.