Prejuízo na PB com auxílio irregular pode ser de R$ 30 mi

Pode chegar a R$ 30 milhões os prejuízos causados por saques irregulares e ilegais das parcelas do auxílio emergencial, pagas pelo Governo Federal na Paraíba. Ontem, a CGU encaminhou à Polícia Federal uma lista com nomes de pessoas que receberam pelo menos uma parcela irregularmente. O Ministério Público Federal também recebeu essa lista. A Controladoria Geral da União na Paraíba iniciou segunda fase de fiscalização e já detectou nomes de empresários e pessoas de alto poder aquisitivo nessas listas.

Além dos 25 mil servidores que receberam o auxílio indevidamente, também solicitaram o benefício: 539 sócios de empresas, 1.095 pessoas com veículos de alto padrão, 107 pessoas proprietárias de embarcações, a exemplo de veleiros e jet ski e  170 paraibanos residentes no exterior. “São pessoas que não se enquadram nos critérios por possuirem padrão de vida considerável, então é muito elevado o padrão de vida dessas pessoas. O auxílio emergencial é para pessoas carentes e nós pedimos que a Paraíba dê sua parcela de contribuição devolvendo os recursos recebidos indevidamente”, disse.

As pessoas que receberam irregularmente e não devolverem os recursos aos cofres públicos podem ser processadas por falsidade ideológica. “Vamos fazer as notificações, e feitas as notificações, se não devolverem, vamos enviar as relações para o Ministério Público Federal e a para a Polícia Federal tomarem as providências cabíveis”, acrescentou.

O superintendente da unidade regional da CGU na Paraíba, Severino Queiroz, disse que haja uma devolução espontânea dessas parcelas recebidas irregularmente.