Presidente da Direitos Humanos da ALPB lamenta morte de PM

O presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa da Paraíba, Frei Anastácio (PT), lamentou a morte do tenente Ulisses Costa, do 5º Batalhão da PM, que entra para as estatísticas de mais um policial militar assassinado por bandidos. “É triste ver mais uma morte de um policial, em pleno exercício das atividades, em defesa da sociedade. Só este mês, quatro policiais já foram vítimas da bandidagem em João Pessoa. É preciso mais investimento na Polícia e mais valorização para que a tropa possa trabalhar com mais segurança”, disse o deputado.

Segundo Frei Anastácio, os governos estadual e federal precisam acordar para isso, com urgência, ou a bandidagem é quem vai dar as cartas, principalmente aqui no nosso estado. “Não é preciso só mudar a legislação - como disse em nota o governador -, é necessário investir também no policial com valorização salarial, equipamentos de segurança, a exemplo de carros blindados, coletes balísticos de primeira qualidade,etc, e aumento do efetivo”, afirmou o deputado.

O deputado relata que nos últimos 30 dias, dois policiais perderam a vida e dois tiveram sorte de não morrer. No dia 2 de janeiro, o sargento Sandro, de 43 anos de idade, morreu depois de ser atingido por um tiro de espingarda calibre 12. O segundo caso ocorreu dia 28 de janeiro, contra o sargento Régis, de 38 anos de idade. Ele foi baleado dentro de um mercadinho no bairro do Geisel na Capital, foi socorrido e sobreviveu. Dois dias depois, um cabo da PM foi baleado em Mandacaru, mas passa bem. E no início da noite de quinta-feira (4), o tenente Ulisses Costa, de 32 anos, não teve a mesma sorte. Foi recebido a tiros enquanto realizava investigações em áreas que fazem parte do conjunto Mangabeira oito e morreu.

“A Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa está ao lado dos policiais nessa luta por melhores condições de trabalho e à disposição das famílias que perderam seus entes queridos”, destacou o presidente da Comissão.