PSDB dará ultimato a Temer

O presidente Michel Temer (PMDB) começa a primeira semana útil pós-crise envolvendo a Presidência da República com a sugestão de renúncia feita pelo PSDB, o segundo maior partido de sua base de apoio parlamentar. A cúpula tucana dará um ultimato a Temer e passou as últimas horas tentando convencer aliados dentro do próprio partido do presidente, o PMDB, a fazer o mesmo. “Esta é a solução menos traumática”, disse um dirigente tucano nesse domingo (21).

O partido tinha convocado uma reunião da sua comissão executiva nacional para discutir uma proposta de solução nesse final de semana, mas o encontro foi cancelado. Como também foi cancelado o jantar pedido pelo presidente com lideranças no Legislativo e dirigentes partidários por falta de quórum. A saída proposta pelo PSDB é a saída de Temer e a convocação de eleições indiretas, pelos deputados e senadores, de um chefe de governo para um mandato tampão até o pleito geral marcado para 2018.

Desde o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) o PSDB ocupa os ministérios das Relações Exteriores, Justiça e Cidades. Também ocupa cargos importantes como a Secretaria Executiva do Ministério da Educação, Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial do Ministério da Justiça e Cidadania e a presidência do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep). Para se preservar, a direção do partido deve desembarcar do governo.

A cúpula tucana articula com o Democratas, partido com prestígio junto a Temer, e com uma parte do PMDB, partido do próprio presidente, o aviso coletivo ao ainda chefe de Estado de que ele não tem mais condições de governar. Outro partido aliado que está discutindo com os tucanos o desembarque do governo é o PSD. O presidente da legenda, Gilberto Kassab, é ministro das Comunicações, Ciência e Tecnologia. Deputados e senadores do PSD discutem esta semana se ficam ou deixam a base de apoio a Temer.

Os tucanos a os Democratas temem, principalmente, que a permanência de Temer no cargo sirva de incentivo ao movimento por antecipação das eleições diretas para presidente – e até para o Congresso – que já ganhou as redes sociais e pode se transformar em manifestações semanais nas ruas.

Senadores e deputados do PMDB vão resistir. Eles sabem que, sem Michel no posto, o partido acaba antes das eleições de 2018. Acreditam que o presidente tem chances de defesa e vão tentar dar um ar de continuidade nas votações, principalmente do projeto da reforma trabalhista.

____

*