ALPB aprova Medalha Augusto dos Anjos ao jornalista Helder Moura

A Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) aprovou, em sessão realizada nesta terça-feira (23), a concessão da Medalha Augusto dos Anjos ao jornalista e escritor Helder Moura.

A homenagem, proposta pelo deputado Branco Mendes, tem como justificativa o desempenho cultural e literário de Hélder, que enaltece o nome do nosso Estado, não apenas no Brasil, mas em diversos países por onde apresentou seu livro, traduzido em vários idiomas.

A medalha é a maior comenda cultural outorgada pela ALPB. No requerimento que motivou a homenagem, o deputado Branco Mendes destaca a trajetória jornalística, literária e acadêmica de Helder Moura, bem como ressalta sua contribuição em todas as áreas em que atua.

Recentemente, Helder foi eleito para ocupar a cadeira 26 na Academia Paraibana de Letras. A posse está marcada para o dia 3 de dezembro.

“É um privilégio e uma honra inenarrável receber tamanha homenagem, representada por uma Medalha que traz em si, além de todo seu significado, o nome do nosso poeta Augusto dos Anjos. Sinto-me verdadeiramente emocionado e agradecido ao deputado Branco Mendes pela propositura, e a todos os nobres parlamentares pela concessão da honraria”, disse Helder.

Biografia – Natural de Campina Grande, Hélder Moura concluiu o curso de Bacharelado em Informática, em 1978, e, em 1982, Pós-Graduação em Engenharia de Sistemas (Algoritmos), no Campus II da Universidade Federal da Paraíba, atual Universidade Federal de Campina Grande.

Em 1981, ingressou no curso de Psicologia da Universidade Estadual da Paraíba. Em João Pessoa, concluiu o Mestrado em Literatura e Psicanálise, pela Universidade Federal da Paraíba, e ainda o curso de Psicanálise, pelo Instituto Lattes (Toledo-PR).

Desde 1992, passou a exercer uma militância no jornalismo, passando pelo jornal Gazeta do Sertão, Jornal da Paraíba, TV e jornal Correio da Paraíba, TV Cabo Branco, além da participação em podcast como Intrometidos e Arena.

Literatura - Na área literária, venceu vários prêmios de ensaios e poesia e, em 1985, lançou o livro “Coração de cedro”. Em 2012, lançou em Lisboa e Óbidos (Portugal) seu primeiro romance “O incrível testamento de Dom Agápito”, que se encontra em 4ª edição e já foi traduzido para inglês, italiano e espanhol.

Em 2018, lançou o livro de contos “Inventário das pequenas coisas”. Tem dois livros no prelo “Veredas da melancolia na criação literária: em nome de Rosa”, Editora Appris, resultado de sua dissertação de mestrado, e “Princípio da diversidade e outros anarquismos – textos pandemômicos”.

Já participou, como representante da Paraíba, da Bienal do Livro de São Paulo (2012), da Feira de Livros de Frankfurt (2013), Feira de Livros de Lisboa (2014), Salão de Livros de Paris (2015) e Festival Literário Internacional de Óbidos (2016).

Seus livros já foram lançados na Alemanha (Frankfurt), Argentina (Buenos Aires e Mendoza), Chile (Santiago), Espanha (Madri), França (Paris), Estados Unidos (Nova Iorque), Itália (Bergamo e Milão), México (México), Noruega (Oslo) e Portugal (Lisboa, Óbidos e Porto).