ALPB suspende sessões presenciais até Cabo Gilberto se vacinar

O nível de transmissibilidade do novo coronavírus já chegou, na Paraíba, no pico da pandemia, ser de 1 pra 100. Voltou a ficar latente na Assembleia Legislativa, depois que o deputado Cabo Gilberto (PSL) resolveu afrontar uma decisão tomada por maioria ampla no plenário da Assembleia Legislativa e participou, pelo segundo dia consecutivo, da sessão presencial, ao lado de outros parlamentares e assessores. Nesse caso, a transmissibilidade é de 1 pra 35, mas o presidente da Casa, Adriano Galdino (PSB), resolveu não arriscar. Atendeu apelo do "constrangido" deputado Hervázio Bezerra (PSB) e do "incrédulo"deputado Bosco Carneiro (Cidadania) e decidiu suspender todos os trabalhos presenciais, até o Cabo Gilberto se vacinar.

Pela contas do Plano Nacional de Imunização, se o deputado do PSL tomar a primeira dose da vacina Coronavac, o intervalo será de 4 semanas entre as duas doses. No caso da Pfizer houve a  antecipação da segunda dose para quem tem 40 anos ou mais e o intervalo entre as doses foi reduzido para 21 dias ou mais. Se o Cabo Gilberto encontrar agenda para tomar dose única da vacina Jansen, ele poderia frequentar sem problemas o plenário da ALPB em duas semanas, quando as vacinas têm efeito mais acentuado.

Confira na reportagem de Rafaelly Leite exibida nesta terça no Correio Debate, da TV CORREIO.



A presença do deputado estadual Cabo Gilberto no plenário da Assembleia Legislativa, na sessão ordinária desta quarta-feira (06), causou novo embate, assim como já havia ocorrido nessa terça-feira (05), dia que marcou a volta dos trabalhos presenciais na Casa de Epitácio Pessoa. A questão de ordem apresentada pelo deputado Hervázio Bezerra foi colocada, onde ele solicitou a suspensão das sessões híbridas na Casa de Epitácio Pessoa enquanto o Cabo Gilberto insistir em comparecer ao plenário sem estar vacinado O deputado Bosco Carneiro também cobrou a paralisação de todas as atividades presenciais na Assembleia enquanto perdurar o impasse a respeito da presença do deputado.



Até mesmo o aliado Wallber Virgolino (Patriota), que assim como o colega defende a bandeira de que quem não quer se vacinar, não se vacine, fez um apelo para que Gilberto se renda aos apelos e se vacine ou então fique em casa, participando de forma remota das sessões.

O presidente da Assembleia Legislativa disse que em nenhum momento pretende usar a força para retirá-lo da ALPB, mesmo com a resolução aprovada sendo desrespeitada.“O deputado Cabo Gilberto está invadindo a Assembleia Legislativa. Cabe a ele ter o bom senso e eu não vou dar esse palco, não vou comprar essa briga, não vou dar essa imagem pro Brasil afora, quero proteger o nosso parlamento” declarou Adriano Galdino

Se justificando, o parlamentar bolsonarista alegou que não estaria descumprindo a resolução e que pode provar que não está com Covid por força de teste negativo. “Ele quer defender o indefensável” argumentou Hervázio Bezerra.Após votação, por 20 favoráveis, 2 contrários e 4 abstenções ficou decidido que as sessões não devem acontecer de forma presencial com a presença do Cabo. A questão de ordem colocada por Bosco Carneiro também foi aprovada e nenhum servidor poderá trabalhar de forma híbrida até que Cabo Gilberto se vacine ou deixe de frequentar a ALPB.