Bananeiras quer São João com público em 2022, diz prefeito

O prefeito de Bananeiras, Matheus Bezerra, disse que a cidade nunca enfrentou uma crise hídrica como a de agora. Ele afirmou que a Cagepa determinou a suspensão total do abastecimento na zona urbana e, enquanto gestor municipal, tem trabalhado para perfurar poços artesianos com recursos próprios.Matheus Bezerra foi o entrevistado desta segunda (4) do programa Correio Debate, na TV CORREIO.

Ele lembrou que Bananeiras possui grandes distritos que já não eram abastecidos pela Cagepa e tem problemas menores. Mesmo assim, até agora a Prefeitura perfurou 16 poços artesianos e já recebeu uma emenda impositiva do deputado estadual Tião Gomes (Avante), para ampliar esse número para, pelo menos, para 22 poços. São poços com mais de 150 metros de profundidade.



O prefeito de Bananeiras disse que o retorno de eventos com público só deve ocorrer no próximo ano. Ele revelou que a Prefeitura já planeja os festejos juninos de 2022, mas vai aguardar o saldo das festas que estão sendo liberadas em outras cidades, a exemplo de João Pessoa. “Já estamos realizando o planejamento para os eventos do ano que vem. Este ano vamos conter, até por conta da calamidade da crise hídrica, para que o ano que vem a gente possa virar a página para um ano melhor”, disse. Mesmo assim, o prefeito de Bananeiras disse que o momento é de retomada dos eventos menores na cidade, mas de forma controlada.

Matheus Bezerra disse que a expectativa é que seja realizado o São João de 2022 de forma presencial. Seria o terceiro ano consecutivo que o município deixaria de realizar os festejos.



O prefeito de Bananeiras observou que mesmo a pandemia não fez com que o turismo sofresse uma retração no município, assim com os setores da construção civil e imobiliário.

Matheus Bezerra lembrou que o município fica a pouco mais de 100 quilômetros de três grandes centros - João Pessoa, Campina Grande e Natal.

“O turismo tem contribuindo muito com nossa cidade e nossa região”,disse. O prefeito observou que trabalha para permitir uma qualificação da mão de obra local, para o setor de serviços.

Ele disse que está, por meio do Senar, Senai e Sebrae articulando cursos para qualificar a mão de obra local. “Já tínhamos fechado as parcerias no início do ano, mas