Câmara Federal devolve mandato a Wilson Santiago

Por 233 votos a favor e 170 contra, a Câmara Federal devolveu o mandato ao deputado paraibano Wilson Santiago. Foram contabilizadas também sete abstenções.A votação foi na noite de ontem e derrubou decisão do ministro Celso de Melo, do Supremo Tribunal Federal. Ele havia determinado o afastamento de Santiago, após o deputado ser alvo da operação pés de barro, que desarticulou uma organização criminosa dedicada à realização de pagamento ilícitos e superfaturamento de obras no sertão da Paraíba.

O deputado é acusado de receber mais de 1 milhão em propinas.

O relator do processo na Câmara Federal foi Marcelo Tamos (PL-AM). Ele defendeu a manutenção do mandato do paraibano, mas pediu para o caso ser analisado pela comissão de ética da Câmara.

Antes da votação, foi colocada ao plenário uma questão de ordem sobre o quórum de votação para se manter ou rejeitar o afastamento cautelar pelo STF. O plenário decidiu que para afastar um deputado do mandato seriam necessários 257 votos. Por unanimidade, as lideranças partidárias acataram a questão de ordem.

O deputado federal Wilson Santiago não fez nenhum pronunciamento.

O advogado de defesa do deputado, Luiz Henrique Alves, contestou a decisão do ministro Celso de Melo. O advogado afirmou ainda que Santiago estava sendo vítima do que chamou de "definhamento midiático", sem ter acesso aos autos e com o vazamento de vídeos e áudios para imprensa.

Da bancada paraibana, apenas os tucanos Ruy Carneiro e Pedro Cunha Lima votaram a  favor da decisão de afastar Santiago. A deputada Edna Henrique se absteve. Julian Lemos estava ausente e, segundo sua assessoria, estava em João Pessoa participando das mobilizações dos policiais. Votaram pela permanência do mandato de Wilson Santiago os deputados Aguinaldo Ribeiro (PP), Damião Feliciano (PDT), Efraim Filho (DEM), Frei Anastácio (PT), Gervásio Maia (PSB), Hugo Motta (Republicanos) e Wellington Roberto (PL).