Cidadania, de Azevêdo, admite aliança com PV, de Cartaxo

Cidadania faz movimentos de aproximação do Partido Verde, para um diálogo sobre as eleições municipais deste ano. Trocando em miúdos, o governador João Azevêdo e o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo, vão sentar na mesma mesa para discutir a possibilidade de aliança nas eleições deste ano. O presidente estadual do Cidadania, Ronaldo Guerra, já deu a senha e revelou que as primeiras reuniões internas aconteceram no início desta semana. Acontecerão novas reuniões, possivelmente até amanhã, para que a legenda aponte um rumo para essa disputa, em até 10 dias.

Maior liderança do Cidadania, João Azevêdo defende que se discuta internamente todos os pontos. "Se tivermos condições de disputar na cabeça de chapa não há problema. Se não for possível, vamos fazer alianças", adiantou. João usou antigos mantras da política local, ao lembrar que "política se faz com conversa, entendimento e leitura do momento político". Ele disse que alguns secretários de Estado e secretários municipais de João Pessoa, houve um início de discussão. “Eu não fecho porta e nem vejo impedimento para que essa discussão ocorra", afirmou

Dirigentes do Cidadania apontam três caminhos viáveis: candidatura própria em João Pessoa e Campina Grande; indicar vice nos dois colégios ou ter um vice num e indicar a cabeça de chapa em outro; e, por fim, apoiar um partido da base aliada do governador.

Ronaldo Guerra considera que outras cidades o diálogo é considerado mais fácil. O Cidadania deve apresentar candidatos a prefeito e a vice em mais de 100 municípios, com 1.986 candidatos a vereador nos 223 municípios.

O partido corre atrás de formar a comissão provisória no maior número de municípios, admitindo que em cerca de 30 cidades não será possível ter esse órgão de direção.

O presidente estadual do Cidadania observou que com a prorrogação dos prazos em 42 dias do calendário eleitoral, o partido ganhou um fôlego. “O governador ficou focado 100% nas medidas de combate à pandemia e só agora pode falar sobre política", frisou