Eliza pede cooperação técnica da UFPB com CPI

A vice-presidente da Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP), vereadora Eliza Virgínia (Progressistas), participou na tarde desta terça-feira (24) de reunião com o reitor da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Valdiney Gouveia. Na pauta da reunião, o pedido de cooperação técnica entre a CMJP e a UFPB referente à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a prestação de serviços por empresas provedoras de internet com atuação na Capital.



A vereadora Eliza Virgínia destacou que todos os órgãos e pessoas atualmente sofrem com os serviços que são prestados pelas operadoras de internet na Paraíba. “Por isso é importante buscar parcerias com entidades que têm quadros qualificados e entendimento técnico sobre o assunto, a exemplo da Universidade Federal da Paraíba”, justificou.



O reitor Valdiney Gouveia afirmou que a Universidade possui pessoal qualificado nos diversos Centros da Instituição. “Temos pessoas no Centro de Informática, de Energias Renováveis, no Centro de Comunicação, Turismo e Artes que podem contribuir, desde a perspectiva mais técnica, como também para poder amparar e oferecer informações necessárias para se levar adiante a CPI”, garantiu.





Bônus Regional



A reunião entre a vereadora Eliza Virgínia e o reitor da UFPB também discutiu o bônus regional. “Essa é uma causa em que particularmente eu sou ativista. Sabemos que várias Universidades têm o bônus regional para proteger as pessoas que moram perto das Instituições e aqui em João Pessoa ainda não temos”, assegurou, afirmando que irá encampar a batalha juntamente com a UFPB.



O reitor da UFPB, no entanto, afirmou que já existe uma formulação do bônus que, em breve, será apreciada pelo Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão para a sua implementação. “Será dado um valor acrescido à nota do Enem, que irá servir para proteger os nossos estudantes que aqui residem e que estudam no estado da Paraíba como um todo”, informou.





Língua Portuguesa



A vereadora também solicitou junto à UFPB cooperação para a proteção da língua portuguesa, através de uma audiência pública que será realizada para debater a temática. “Sobre esse assunto é importante lembrar que a linguagem neutra não está na nossa grade curricular e nem pode entrar”, assegurou.



“A UFPB tem profissionais com bastante expertise no campo do Português e tenho certeza que eles poderão contribuir para a discussão do tema, trazendo novas informações, no intuito de ajudar a cidade de João Pessoa e a Paraíba”, finalizou o reitor.