Galdino critica “pequena fortuna” na reforma da ALPB

Pegou todo mundo de surpresa. Depois dos microfones da tribuna falharem seguidamente, o atual presidente da Assembleia Legislativa, deputado Adriano Galdino (PSB), alfinetou a gestão do seu antecessor, o hoje deputado federal Gervásio Maia Filho (PSB). Galdino questionou gastos com a reforma no prédio e disse que, se fosse ele, não era para ser reformado e o dinheiro daria para construir uma sede novinha em folha. E completou: ainda sobraria dinheiro para construir a creche da Assembleia e a sede própria da Escola do Legislativo.

Ele lamentou os problemas frequentes no prédio da ALPB. Logo no primeiro dia da atual legislatura, os trabalhos foram suspensos, depois de uma reclamação pública da deputada Cida Ramos (PSB) sobre acessibilidade no plenário e dificuldades intransponíveis para uma pessoa portadora de algum tipo de deficiência física ocupar a tribuna do plenário. Galdino suspendeu os trabalhos por 15 dias e a votação só retomaram nesta terça-feira (26). Os microfones já tinham apresentado falhas.

O atual presidente lamentou que a recente e festejada reforma da Casa, executada na gestão de Gervásio Maia, não tenha sanado os problemas da Casa. Lembrando que a Assembleia tinha R$ 17 milhões em caixa, Galdino disse que Maia gastou "uma pequena fortuna", mas não eu jeito aos problemas estruturais.“Os problemas ainda continuam porque aqui é uma construção antiga, muito velha, por mais que a gente queira remodelar, recuperá-la. Mas sempre os problemas acontecem. Cada vez eu fico mais convencido de que eu estava certo. A gente tinha dinheiro para isso”, disse.

Para o presidente atual da ALPB, mais de R$ 17 milhões foram mal aplicados. "Dava para construir as três coisas. E a gente estaria sem essa dificuldade que a gente tem todo dia. Hoje quando chove não tem sessão, quando faz Sol o som não funciona, a internet não funciona. É um sofrimento em que a gente está. Mas vamos para a luta.”, desabafou.