Governo do Estado suspende o “Gol de Placa”

Um decreto do secretário de Estado do Esporte, José Marco, suspendeu a homologação das prestações de contas apresentadas pelos clubes de futebol não Programa Gol de Placa. O decreto foi publicado no Diário Oficial dessa sexta-feira (25). O governador João Azevêdo, com o decreto do secretário, não reconhece a

20190126_221245-300x126.jpghomologação atestada pelo governo de Ricardo Coutinho para a documentação apresentada pelos clubes de futebol que se beneficiavam com o programa. O Ministério Público da Paraíba já anunciou que vai abrir investigação para apurar as denúncias. O Tribunal de Contas do Estado já anunciou auditoria para apurar as denúncias de irregularidades.

O Gol de Placa foi idealizado para beneficiar torcedores, na troca de notas fiscais por ingressos, e clubes, garantindo renda. Porém, o programa teria sido utilizado por agremiações esportivas para fraudes, usando nomes de pessoas até de outros estados na ânsia pelos recursos financeiros.

A Folha descobriu nomes de pelo menos três homens, ambos moradores de estados da região Sul, que nunca pisaram na Paraíba, mas constam como espectadores da partida entre Nacional x CSP, que ocorreu no dia 12 deste mês no estádio José Cavalcanti, em Patos, pela rodada de abertura do Estadual.

As três vítimas teriam tido nomes e CPFs coletados na internet e utilizados pela direção do Nacional de Patos como se eles tivessem ido até o José Cavalcanti e trocado notas fiscais por ingressos para assistirem ao jogo.

Conforme o borderô do jogo, disponível no site da Federação Paraibana de Futebol, para o duelo entre Nacional x CSP 1.260 torcedores foram beneficiados pelo programa através da troca de ingressos. No documento, cada ingresso oriundo do Gol de Placa é contabilizado no valor de R$ 20, totalizando R$ 25,2 mil que o clube tem direito a receber no programa.