Justiça suspende obras do Parque Sanhauá



O juiz João Pereira de Andrade Filho, da Justiça Federal na Paraíba, determinou a suspensão das obras do Parque Ecológico Sanhauá, em João Pessoa. A decisão foi divulgada nesta quinta-feira (27) e está relacionado aos trabalhos realizados na comunidade Porto do Capim, incluída a Vila Nassau, no Centro Histórico da Capital.

A decisão atende representação do Ministério Público Federal (MPF) que ingressou com ação civil pública contra a Prefeitura de João Pessoa. A determinação é para suspender qualquer trabalho de demolição de imóveis, abordagem de moradores e de intervenções na área especificada.

A Prefeitura de João Pessoa decidiu que irá recorrer da decisão judicial que suspendeu a segunda etapa das obras do Parque Sanhauá. A liminar está sendo analisada pela Procuradoria Geral do Município com base nos argumentos técnicos para a conclusão do projeto, que integra o conjunto de novas obras no Centro Histórico da capital paraibana.





A primeira etapa do Parque foi entregue no início deste mês com a conclusão da Praça Napoleão Laureano, uma área de lazer que já integrou o roteiro cultural do Carnaval 2020.

Segundo a secretária de Planejamento, Daniela Bandeira, a cidade acaba perdendo com a interrupção de obras de um projeto que busca resgatar a história e revitalizar a região onde a cidade nasceu, criando novas áreas de lazer abertas à população. A secretária lembrou que o novo Parque, com orçamento estimado em mais de R$ 11 milhões, devidamente assegurados, já começou a mudar a paisagem da área urbana da região, conectada a intervenções importantes como a Vila Sanhuá, o primeiro projeto de habitação misto em áreas de interesse histórico do país.

“O Parque Ecológico Sanhauá será decisivo na revitalização desta importante área da cidade, promovendo um encontro histórico de João Pessoa com novas áreas de convivência e de lazer. Além de ciclovias, novos passeis públicos, passarela, elevador panorâmico, mirante e iluminação LED, o projeto prevê o aumento expressivo da área verde, reduzindo o impacto às margens do Rio Sanhauá, berço de João Pessoa”, disse Bandeira.

No que diz respeito aos moradores no entorno do novo Parque, a secretária informou que a Prefeitura de João Pessoa tem buscado soluções por meio do diálogo, a exemplo do que ocorreu com a transferência das 64 famílias para o Residencial Saturnino de Brito, inaugurado este mês.

____



FONTE: CLICKPB