PMJP faz plantio de árvores às margens do Rio São Bento

Dando continuidade ao projeto ‘João Pessoa Cidade Jardim’, a Secretaria de Meio Ambiente (Semam) fará, nesta quinta-feira, 10, o plantio de 300 mudas de árvores nativas, nas margens do Rio São Bento, entre os bairros de Mandacaru e Padre Zé.

Com este plantio nas margens do Rio São Bento, a Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) finaliza a 11ª Região do Orçamento Participativo, onde já foram plantadas árvores na praça ao lado da Escola Municipal Luis Augusto Crispim, no canteiro da Avenida Tancredo Neves e distribuídas mudas com a população dos bairros.

Para a secretária de Meio Ambiente, Daniella Bandeira, “o plantio às margens do Rio São Bento faz parte das ações para mantermos a cidade mais acolhedora para todos os moradores. É compromisso nosso trabalhar, todos os dias, para preservar e recuperar o patrimônio ambiental de João Pessoa, sem perder de visa o desenvolvimento sustentável”.

João Pessoa Cidade Jardim - Até o final de 2015, a cidade terá replantadas 6,2 mil novas mudas de árvores nativas da Mata Atlântica, nesta segunda etapa do projeto ‘João Pessoa Cidade Jardim’.Todas as 14 regiões do Orçamento Participativo estão nesta cobertura, cada uma recebendo 430 espécies nativas. O projeto surgiu em 2013 a partir de um estudo articulado entre a Semam e Secretaria de Desenvolvimento Urbano (Sedurb), que mapearam as áreas com menor índice de cobertura arbórea para que recebam as ações de recomposição necessárias.

O plantio nas margens do São Bento vai contribuir para a recomposição da mata ciliar, que cobre as margens e protege os rios. Recebe esse nome, de “mata ciliar”, porque é tão importante para a proteção de rios e lagos como os cílios são para os nossos olhos. As matas ciliares evitam a erosão das margens dos rios e funcionam ainda como corredores para a fauna, permitindo que animais silvestres possam deslocar-se de uma região para outra, tanto em busca de alimentos como para fins de acasalamento. Técnicos da Semam farão o replantio de mudas de ingazeiro, castanheiras, jatobás, mungubas e outras árvores recomendadas para a recomposição de matas ciliares.