Prefeito de Cabedelo é denunciado mais uma vez na Xeque Mate

Mais uma vez, o prefeito de Cabedelo, Vitor Hugo,  foi denunciado na operação Xeque Mate pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Estado. Estão sendo investigadas contratações de servidores fantasmas, recebimento indevido de valores e até um suposto esquema que teria o objetivo de torna-lo presidente da Câmara Municipal, o que permitiu que ele concorresse nas eleições complementares já como prefeito interino. "Uma análise ampla do robusto quadro probatório reunido ao longo da Operação Xeque-Mate, permitiu a este GAECO e à Polícia Federal concluir, peremptoriamente, que Vitor Hugo Peixoto efetivamente integrou o referido grupo criminoso e cometeu diversos delitos no seu âmbito", diz um trecho da denúncia.

A Operação Xeque Mate apura, entre outros crimes, a compra do mandato do ex-prefeito Luceninha por leto Viana, então vice-prefeito, em 2013. Vitor Hugo era vereador e teria recebido valores para aderir à base de Leto Viana, já no poder.

Também são acusadas de participação nesse esquema a ex-presidente da Câmara Municipal, Geusa Ribeiro, e a servidora municipal Fabiana Maria Monteiro Régis. A primeira teria aferido uma vantagem de R$ 10 mil em parcela única e mais R$ 6 mil em duas parcelas, para também dar apoio à gestão de Leto. Fabiana, segundo o Ministério Público, seria a ponte que levaria as propinas, inclusive em dinheiro em espécie, aos vereadores, que foram afastado no âmbito da Xeque Mate.

O Ministério Público pede a perda do cargo de prefeito (no Caso de Vitor Hugo) e das funções públicas (no caso de Geusa e Fabiana), emprego, função pública ou mandato. Também requer o uma multa (por danos morais e materiais) pelos supostos prejuízos causados de R$ 49 milhões. Caso a Justiça acate as denúncias, o trio vira réu na Operação Xeque Mate.