Presos suspeitos de golpes contra gestores paraibanos

Os gabinetes militares dos Tribunais de Contas da Paraíba e do Rio Grande do Norte conseguiram identificar e prender duas pessoas em Natal (RN) suspeitas de participação em golpes contra gestores públicos usando nomes e perfis falsos de conselheiros do TCE-PB e TCE-RN. Os suspeitos foram encaminhados para Delegacia de Plantão Zona Sul da capital potiguar, neste sábado pela manhã. A informação foi confirmada pela coluna 'Poder, Política & Cia' pela Polícia Civil do Rio Grande do Norte, conforme trecho do termo de declaração abaixo.

As investigações devem continuam para desbaratar outras células dos golpistas. Estelionatários se passavam pelos presidentes desses Tribunais de Contas, mandando mensagens para gestores públicos por meio de aplicativo de mensagens. Nos perfis falsos aparecia a foto dos conselheiros, mas o número de telefone usado não era dessas autoridades.

 



Os suspeitos pediam que os gestores fizessem depósitos em dinheiro em uma conta da Caixa Econômica Federal com agência em Natal. No nome da conta bancária que aparecia, quando o gestor fazia o depósito era de uma senhora, também identificada na investigação dos gabinetes militares.

Os prefeitos de Caaporã, Cristiano Monteiro (kiko),e o prefeito de Rio Tinto, Milton Fernandes, caíram no golpe, acreditando se tratar de um pedido do conselheiro Arnóbio Viana, mesmo o TCE-PB tendo informado por circular que esses estelionatários continuavam agindo e investindo contra gestores paraibanos.

O coronel PM Souza Neto, assessor militar do TCE-PB, o subtenente F.Souza e o servidor Diego Correia;  e o major PM Tarso, assessor militar do TCE-RN, participaram das investigações. Um dos suspeitos, identificado como Magno Lacerda da Costa, confirmou que emprestava a sua conta bancária para que outro homem, identificado como Enock Santos Lima Júnior, recebesse “dinheiro da venda de um terreno” de sua tia. Como os equipamentos bancários exigiam confirmação por biometria, Magno fazia os saques e repassava o total a Enock, que confessou aos militares que participava do golpe e também repassava dinheiro a outro suspeito, de nome Marlon, mas que ele não soube identifica-lo.

Os suspeitos foram encaminhados para Delegacia da Polícia Civil numa viatura comandada pelo 2º. Sargento Galdino, Cabo Lucena e  Santiago, lotados 1º BPM de Natal. Com suspeitos foram apreendidos dois aparelhos celulares e um extrato de conta bancária.