Sebrae reúne mais de 100 alternativas para quem quer empreender em 2022
19 de janeiro de 2022
Redação

Empreender exige mais do que desejo de realizar um sonho ou ter aptidão para isso: é preciso pesquisar para saber quais empreendimentos podem ser mais rentáveis para a realidade da pessoa. Seja para complementar a renda ou por necessidade, fato é que o empreendedorismo tem crescido. Prova disso é o aumento no número de donos de pequenos negócios na Paraíba: em 2021, mais de 44 mil novos registros de microempreendedores individuais (MEIs) foram abertos, segundo dados do Sebrae Paraíba. Com objetivo de apoiar os empreendedores, o Sebrae criou a série de Ideias de Negócios MEI.

As ideias podem ser acessadas por meio do endereço https://bis.sebrae.com.br/bis/resultadoBusca.zhtml?q=ideias+me, que conta com mais de 100 ideias de empreendimentos que podem ser executados pelos mais de 14 milhões de desempregados ou por quem, mesmo que esteja trabalhando, deseje complementar a renda. A expectativa é que ainda neste mês o portal conte com mais de 150 Ideias de Negócios MEI. O conteúdo foi feito pelos colaboradores do Sebrae a partir do cruzamento de dados e apresenta informações de extrema relevância para quem busca empreender: renda média mensal, custo de investimento inicial para o empreendimento, demanda de clientes no Google, concorrência digital e performance nas redes sociais.

Para montar as Ideias de Negócios MEI, foram selecionadas as profissões mais procuradas na internet, que são exercidas de maneira informal e que podem ser formalizadas através da figura do microempreendedor individual. Entre elas, estão churrasqueiro, adestrador de cães e cabeleireiro, por exemplo, que observaram o aumento da demanda mesmo durante a pandemia da Covid-19. Dessa forma, é possível buscar, dentre as opções ofertadas, aquelas de maior afinidade para poder empreender, gerando emprego e renda.

De acordo com a gerente da Unidade de Gestão Estratégica e Monitoramento do Sebrae Paraíba, Ivani Costa, atividades ligadas ao setor de serviços normalmente são tidos como “porta de entrada” para empreender, já que exigem baixo investimento e conhecimento sobre o negócio. “Outro dado relevante é que (os empreendedores) são, em sua maioria, formados por microempreendedor individual (MEI), dos quais 60% tiveram entre 25% e 50% do seu faturamento, em 2021, provenientes de vendas on-line. Portanto, é extremamente necessária a entrada de novos segmentos voltados para o digital, vendendo conhecimento, mentorias, consultorias, abrindo novas fronteiras com educação, serviços específicos, entre outros”, avaliou.

A gerente enfatizou, ainda, que o Sebrae, em 2022, continuará com serviços e orientações aos empresários voltados ao mundo digital, envolvendo desde a formação de empreendedores digitais, definição de estratégias e novos modelos de negócios até o desenvolvimento de ações específicas de atendimento, vendas, marketing on-line e as demais ações operacionais envolvidas para a transformação ou simplesmente inserção dos pequenos negócios no universo digital. “A sobrevivência das pequenas empresas dependem dessa inserção e estamos prontos para apoiá-las nesse processo”, destacou.

Compartilhe: