Suplementação é aprovada em Sapé, mas projeto não vai para sanção

A novela da suplementação ao orçamento da Prefeitura de Sapé ganhou mais um capítulo. O projeto da suplementação, que prevê o reordenamento das despesas da administração pública em Sapé foi aprovada nesta quinta-feira (30), mas não foi enviada para sanção do prefeito, Major Sidinei. A indefinição impede o pagamento do salário dos servidores, que aguardam a resolução. Parlamentares da Casa denunciam que o presidente Abraão Júnior deixou a sessão sem dar prosseguimento ao projeto.

Para ter efeito, a suplementação precisaria ser encaminhada pelo presidente da Câmara para o Poder Executivo, que dá sequência ao trâmite legal, incluindo a publicação do documento - que é necessária para o pagamento dos servidores. O presidente, no entanto, não enviou a proposta e dispensou ainda pela manhã o jurista da Casa, impossibilitando o avanço da pauta.

Vereadores cobram uma resposta do presidente e alegam que o parlamentar está agindo por interesses próprios. “Ele não quer fazer que a suplementação aconteça”, denunciam. O procurador do município, Aderbal Vilar, também aguarda o documento e afirma que o texto aprovado não foi enviado para o Executivo.

O prefeito Major Sidnei lamenta a situação e aponta prejuízo para a população. “Ficamos felizes pela aprovação, que foi conquistada através da mobilização do povo, mas nem isso foi suficiente para que o presidente reconhecesse que se trata de interesse público. Com isso, os salários atrasam e todo o município é afetado”, apontou.

A Prefeitura de Sapé emitiu uma nota sobre essa situação:

"A Prefeitura lamenta o ocorrido e aguarda os encaminhamentos que precisam ser feitos por parte do poder legislativo. A gestão destaca ainda que desde o começo do ano, os salários vêm sendo pagos dentro do mês trabalhado - um esforço que demonstra compromisso e valorização com os funcionários. O atraso deste mês não corresponde à postura da Prefeitura, que vem tentando solucionar a questão de forma harmoniosa. 

Assim que o projeto da suplementação for encaminhado ao Executivo, a gestão se encarregará de fazer os pagamentos. Enquanto isso, a Prefeitura reforça o apelo ao poder legislativo, para que prossiga o trâmite legal e torne possível a compensação do salário dos trabalhadores".