Transparência Internacional/Brasil divulgará ranking dos governos estaduais

A Transparência Internacional - Brasil publicará, na próxima terça-feira, 5 de julho, a primeira edição do Índice de Transparência e Governança Pública, avaliação inédita que compara mecanismos concretos de transparência e participação social dos 26 estados e do Distrito Federal.

A avaliação foi realizada com metodologia desenvolvida pela Transparência Internacional e analisa 84 critérios, divididos em oito dimensões: Legal, Plataformas, Administração e Governança, Transparência Financeira e Orçamentária, Transformação Digital, Comunicação, Participação e Dados. Ao final, cada ente avaliado receberá uma nota entre 0 e 100 e seu nível de transparência será classificado como "ótimo", "bom", "regular", "ruim" e "péssimo".

Além da avaliação dos governos estaduais, também serão publicadas avaliações da transparência de cerca de 180 municípios do país, localizados em sete estados diferentes. Essas avaliações foram realizadas por organizações da sociedade civil que receberam apoio e suporte metodológico da Transparência Internacional -- Brasil e também classificarão a transparência das prefeituras em uma escala entre 0 e 100.

Em agosto, uma nova etapa do Índice de Transparência e Governança Pública será publicada, com a avaliação das 27 assembleias legislativas do país.

O Índice de Transparência e Governança Pública será publicado anualmente e se propõe a ser uma referência permanente, regular, confiável e comparável que oriente políticas públicas de transparência e governança no Brasil.

Sobre a Transparência Internacional/Brasil -- A Transparência Internacional é um movimento global com um mesmo propósito: construir um mundo em que governos, empresas e o cotidiano das pessoas estejam livres da corrupção. Atuamos no Brasil no apoio e mobilização de grupos locais de combate à corrupção, produção de conhecimento, conscientização e comprometimento de empresas e governos com as melhores práticas globais de transparência e integridade, entre outras atividades. A presença global da TI nos permite defender iniciativas e legislações contra a corrupção e que governos e empresas efetivamente se submetam a elas. Nossa rede também significa colaboração e inovação, o que nos dá condições privilegiadas para desenvolver e testar novas soluções anticorrupção.