Vereador defende vacinação de crianças contra Covid-19



A vacinação de crianças contra a Covid-19 voltou a ser tema de debate na Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP). Durante a sessão ordinária desta terça-feira (22), o vereador Marcos Henriques (PT) defendeu a vacinação do público infantil, citando recomendação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e de outras agências reguladoras internacionais.

“Existem pessoas que não querem vacinar seus filhos, por N motivos, entre eles por achar que a vacina é um experimento. No entanto, 1.400 crianças morreram em decorrência da Covid-19 em nosso país, e o diretor-presidente da Anvisa, Antônio Barra Torres, afirmou que nenhuma criança morreu em decorrência da aplicação da vacina. Então, começamos a questionar o porquê de não vacinar. Não tenho mais filhos pequenos, mas, se tivesse, vacinaria”, posicionou-se Marcos Henriques.

O parlamentar ainda citou a recomendação da Sociedade Brasileira de Pediatria e de agências reguladoras dos Estados Unidos da América e da Europa de que as crianças sejam vacinadas. “A comunidade científica já se posicionou, afirmando que a vacina contra Covid-19 não oferece riscos às crianças. Portanto, eu respeito, mas não compreendo a decisão de não vacinar, até porque as crianças podem levar contaminação para casa, ou para um coleguinha que tenha comorbidades”, argumentou.

Marcos Henriques ainda se mostrou favorável ao veto do prefeito Cícero Lucena (Progressistas) ao projeto de lei que prevê a proibição de exigência de comprovante de vacinação contra Covid-19 para ter acesso a ambientes públicos e privados. “Na minha compreensão, não existe um cerceamento de liberdade, e sim uma orientação de que todos se vacinem. Deveríamos ter uma grande campanha para estimular quem ainda não se vacinou para se vacinar. Hoje, só temos 71% da população vacinada. Precisamos chegar a 90 %”, defendeu o vereador.

O vereador Junio Leandro (PDT) lembrou que o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), em seu artigo 14, §1º, já prevê que “é obrigatória a vacinação das crianças nos casos recomendados pelas autoridades sanitárias”. “A Anvisa e o Ministério da Saúde já recomendaram a vacinação de crianças, e a obrigatoriedade nesses casos já está prevista no ECA, não há o que se discutir em termos de legislação”, afirmou.

Os vereadores Carlão e Marcílio do HBE, ambos do Patriota, reafirmaram que são favoráveis à vacinação, mas contrários à exigência do passaporte vacinal e à obrigatoriedade de imunização do público infantil. “A decisão de vacinar ou não os filhos cabe aos pais, e tem que ser respeitada. Não é o Estado que sabe o que é melhor para os nossos filhos. A exigência de apresentação de passaporte vacinal está privando as crianças de terem acesso à educação”, criticou Carlão.